Análise de Cinema: As Vantagens de Ser Invisível

Após um longo período sem postar conteúdo para a série Análise de Cinema, retorno ao tema para falar de um filme lançado em 2012 e que agradou grande parte daqueles que o assistiram, prometendo se tornar um cult instantâneo: As Vantagens de Ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower). Nesse post abordarei a composição de algumas cenas da obra, bem como a simbologia e rimas visuais utilizadas que, é importante frisar, sempre devem ser sustentadas pelo que é visto em tela. Vale a lembrança de que também já postei uma crítica falando do filme como um todo, que pode ser conferida clicando AQUI.

O aspecto visual que mais me agradou em As Vantagens de Ser Invisível foi o que envolve a personagem Sam, vivida por Emma Watson (da saga Harry Potter). Desde o primeiro momento em que aparece, Sam é envolta por luz, destoando da fotografia soturna estabelecida em quase todo o filme. A personagem se torna um objeto idolatrado por Charlie, vivido por Logan Lerman. Sam é constantemente associada às estrelas, algo de beleza única a se admirar, aos olhos do protagonista. Se levarmos em conta a trama, faz todo sentido. No quadro abaixo, na primeira aparição da personagem, o espectador é colocado no ponto de vista do garoto, e Sam é iluminada pelo refletor do estádio, ressaltando sua beleza e ao mesmo tempo ofuscando nossa visão (e a de Charlie).


Tal diferenciação talvez não fosse percebida se as demais cenas do longa-metragem não empregassem a fotografia soturna que citei antes, escura, mesmo nas cenas diurnas, como na primeira captura abaixo. Reparem que mesmo na sala de aula, a iluminação tende as sombras. Tal escolha não somente deixa o clima sensivelmente mais sério, como ressalta a solidão e dificuldade que o protagonista tem em se relacionar com as pessoas que o cercam. A cena destacada na segunda captura abaixo exemplifica com exatidão essa ideia, além de marcar um ponto de mudança na narrativa.


O contraste passa a ser abissal quando entramos no mundo de Sam, seu quarto. Reparem na primeira captura abaixo como o cômodo, repleto de espelhos, luminárias e enfeites luminosos criam quase que uma imagem de sonho para o protagonista, que quase não acredita que adentrou ao recinto (o quarto, aliás, só é visitado pelos dois durante todo o filme). Em outro momento, mais perto do fim da obra, vemos Charlie e Sam novamente no aposento. Na segunda captura abaixo, reparem nos enfeites colocados logo acima da garota. Novamente as estrelas.


As estrelas retornam em outro belo momento da obra, quando Sam vai ao encontro de Charlie (que está tirando neve do quintal, ainda em sua alucinação por LSD) e o abraça em frente sua casa. Então o diretor faz um belíssimo movimento de câmera, fazendo-a viajar lentamente apontando para o céu, que está estupendamente estrelado.


Finalizando o post de hoje, um detalhe de figurino que colabora e ratifica todo o aspecto de simbolismo que destaquei nessa análise. Durante todo o filme, literalmente em quase todas as cenas, Sam utiliza um cordão no pescoço, cujo pingente, claro, é uma estrela.


Isso, meus amigos, é Cinema!


A série Análise de Cinema já rendeu outros posts, confiram nos links abaixo. Se você gostou, comente, curta, compartilhe. Ajude a divulgar o CINÉFILO SANTISTA ;D

Análise de Cinema: Drive
Análise de Cinema: O Inquilino
Análise de Cinema: Precisamos Falar Sobre Kevin

Comentários

  1. Comecei a assistir Breaking Bad há alguns dias e, procurando na web por críticas da segunda temporada, encontrei seu blog. Perdi (ou melhor, ganhei!) mais de uma hora navegando entre as páginas repletas de um conteúdo de extrema qualidade, relembrando momentos maravilhosos que já vivi em frente à tela e entendendo muitas coisas que deixei passar em algumas produções.

    Por obra do acaso, talvez, sua última postagem (a que eu, desde a primeira matéria que li, estava decidido a comentar) trata do meu filme favorito: The Perks of Being a Wallflower. Ler suas linhas sobre esse longa maravilhoso me remontou à força da atuação da Emma e, por que não?, me fez sentir realmente infinito.

    Percebi, porém, que o número de visitas do blog está muito longe do merecido. Poxa vida, você merece muito sucesso! Por isso, faço um apelo para que você não pare de criar esse conteúdo de extremo valor... e me comprometo a divulgar seu trabalho por todos os caminhos que tenho acesso.

    Boa sorte e muito obrigado! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras Albee! E agradeço por querer compartilhar o conteúdo. De fato, o blog não tem um grande número de acessos (ainda que tenha tido um aumento nos últimos meses), pois muito pouca gente compartilha os links ou mesmo comenta, mesmo que visitem a página frequentemente.

      O blog é um hobby do qual tenho muito prazer em sustentar. Enquanto houver inspiração haverão posts. haha. Claro que com os acessos aumentando a motivação vai junto.

      Abraços!

      Excluir
  2. Naveguei por muitas de suas páginas e me encantei cada vez mais com o seu conteúdo! Você é fantástico!

    Por coincidência, assim que decidi comentar na última publicação, tive a graça de encontrar um post sobre meu filme predileto: The Perks of Being a Wallflower. Ler suas linhas me fez reviver a força de Sam e todo o brilho que envolve e maravilha a trama. Me fez sentir, por que não?, verdadeiramente infinito!

    Sou blogueiro (www.ipodschool.com) e entendo todas as dificuldades que passamos do outro lado da cortina. Por isso, apelo para que você continue produzindo esse conteúdo de primeiríssima qualidade! Divulgarei o blog por todos os canais que conheço ;)

    Boa sorte... e muito obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Como mencionei em outro comentário, resolvi assistir esse filme baseada nos seus comentário. Adorei.O filme é mesmo muito interessante, mesmo sendo um pouco parado, a história é muito boa e os personagens lembram muito a minha adolescência, na mesma época retratada. Achei muito interessante a importância da música para os personagens, porque nessa fase da vida parece mesmo que tudo merece uma trilha sonora. Aliás, a trilha sonora é fantástica. Gostei bastante e pude prestar bastante atenção nessa parte da fotografia, que realmente se destaca na história. Vale a pena assistir, valeu pela indicação.
    Abs,

    Fabiana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Fabiana! A trilha sonora realmente é fantástica, também gosto muito!

      Excluir

Postar um comentário

Gostou, não gostou, quer conversar sobre? Comenta aí!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...