The Walking Dead 5x08 | Coda


[spoilers]
E chegamos ao aguardado mid-season finale de The Walking Dead. Mas antes de começar essa review, gostaria de comentar o desserviço que a própria AMC presta aos seus espectadores. Em sua página oficial do Facebook, poucos minutos após o término do episódio, a emissora já postava uma foto reveladora com uma legenda que deixava claro a morte de um dos principais personagens da trama. Poderíamos até argumentar que a page é voltada para os fãs norte-americanos e tudo o mais, porém, nem mesmo os fãs yankees estavam satisfeitos, visto que boa parte dos espectadores ainda não havia assistido ao capítulo por conta de uma diferença de fuso horário. Gente sem noção existe em todo canto, em cada rede social, e isso todos sabemos. A gente só não espera tomar spoiler da própria AMC. Perderam a minha curtida, e provavelmente outras tantas. Lamentável. 

Dito isso, vamos aos acontecimentos do 5x08.

Infelizmente - e já havia frisado isso na review passada - TWD continua esbarrando naquilo que deveria ser seu grande trunfo: o roteiro. É inegável que essa temporada teve um salto de qualidade e confesso que torço para que a série volte a ter seus melhores momentos, mas é triste ver a fragilidade com que o seriado lida com momentos cruciais da narrativa. Explico a seguir, começando pelo padre.



Pensem e analisem friamente comigo: qual foi o intuito do padre Gabriel ter saído escondido da igreja no episódio passado, se não unicamente para criar um momento de ação com walkers para esse mid-season finale? Chega a ser vexatório, pois o personagem fugiu de forma covarde, viu - novamente - que não saberia lidar com a situação após ter encontrado o que sobrou do churrasco do Bob, e voltou correndo para a igreja, onde foi recebido de braços abertos por Carl e Michonne. E nem vou cismar com as cenas em que Judith simplesmente some da "mochila" do irmão, para depois voltar a aparecer num passe de mágica.

Aliás, foi num passe de mágica que Abraham surgiu com seu caminhão de bombeiros, pronto para bloquear a porta da igreja quando o quarteto precisava de ajuda. Como ele descobriu que devia fazer aquilo? Não faço a mínima ideia. Talvez o personagem tenha se tornado onipresente por algum motivo que eu não tenha percebido. Ainda nessa cena, tivemos o momento em que Maggie, enfim, é lembrada que sua irmã existe, em outro pobre artificio de roteiro que tenta - desesperadamente - criar algum apelo dramático para o que viria a acontecer no clímax do episódio.


Em Atlanta tivemos preciosos minutos perdidos com diálogos intermináveis entre Dawn e Beth, novamente na tentativa de criar um arco narrativo pouco interessante e que se encerraria minutos depois com a morte de ambas as personagens. Resumindo, tivemos linhas e linhas de roteiro que não moveram a trama a lugar algum. E tratando-se de um mid-season finale, era importantíssimo que criássemos expectativas para o que virá em 2015. Não funcionou comigo.

Todas as apostas foram voltadas para a chocante morte de Beth e as consequências que isso irá gerar. Mas analisando a cena do embate dos grupos, novamente nos deparamos com soluções dramáticas risíveis. Imaginem que você lidera uma patrulha de policiais que criaram uma "sociedade" funcional no topo de um hospital. Surge um grupo rival sugerindo uma troca de reféns e você permite que os "inimigos" adentrem a sua casa, sem a menor cerimônia. Quais as chances disso dar certo?

A troca de reféns em si foi muito bem dirigida, adicionando a tensão necessária exigida pela cena. No entanto, a justificativa para que Dawn estourasse os miolos de Beth foi - novamente - risível. Como assim a garota resolve espetá-la com uma tesoura naquele momento, levando em conta todo o clima de tensão que viviam? Seria engraçado, se não fosse trágico, artisticamente falando. E lá se vai mais um personagem pra cova em TWD.


Ok, nem tudo foi ruim. Tivemos a excelente cena de abertura em que Rick (com sua barba de respeito) persegue o policial, o atropela e o executa friamente, finalizando com um sagaz "Shut up". Parece que o caminho das trevas já está desenhado para o xerife e, se pudesse apostar, diria que o personagem não passa dessa temporada. 

Outro momento marcante foi a reação imediata de Daryl dando um head shot em Dawn e depois carregando o corpo de Beth no momento em que os grupos voltam a se encontrar (conveniente, não?). Muito pouco para um episódio que deveria nos deixar famintos para fevereiro de 2015. Infelizmente.

Comentários

  1. Realmente não faz o menor sentido o padreco ter saído furtivamente da igreja, abandonando a segurança. É pior ainda sua explicação: "eu tinha de saber". Bastava abrir a janela (antes de ser pregada) , que lê ficaria "sabendo". A indiferença de Maggie ao sumiço da irmã, realmente era notória. E embora tenha havido toda aquela preparação para a morte de Beth, me pergunto até que ponto ela realmente foi chocante. A personagem não fazia a menor diferença no seriado. A maioria da temporadas ela passou carregando bebês ou cantando. Já a questão de Rick nao durar além desta temporada, seria um tiro no pé eliminá-lo. Não existe outro personagem que possa assumir a liderança de forma convincente. A maioria dos personagens coadjuvantes são totalmente dispensáveis e dificilmente terão longa vida.
    E concordo, o final da mid-season deixa muito a desejar e deixa a impressão de que nada vai acontecer na outra metade. Fico imaginando como será quando eles chegarem ao povoado de Tophill, que nos quadrinhos é bastante chato até chegar à guerra contra Negan.......

    ResponderExcluir
  2. Me incomoda também a criação desses arcos de 6, 7 episódios. Na temporada passada a trama caminhou inteira para o Terminal e os canibais, algo que teve pouquíssima relevância nessa temporada.

    Agora tivemos toda a construção da dinâmica do hospital. E já era hospital.

    Resta aguardar por mais episódios vagando pelo mato.

    ResponderExcluir
  3. Percebi e concordo com todos os pontos que você destacou, fela, a respeito do roteiro. Imagino que, com tanta gente envolvida, não é possível que eles não tenham percebido esses "furos" também. Atribuo, então, à preguiça dos roteiristas. Estão escrevendo no piloto automático... conscientemente, como ocorreu no episódio da ambulância caindo do viaduto: na primeira cena se vê claramente que a ambulânia vai cair de bico ou de capota para baixo, e na sequência se vê que caiu de capota para cima. Ridículo. Eles sabem que a cena ficou tosca.. mas ligaram o foda-se. Ademais, a sua sensação sobre a facilidade com que permitiram a entrada do grupo de Rick no hospital, dá-se, ao meu ver, porque não houve nenhuma cena a respeito, o que serviria como preparação para o momento clímax. Certamente, justificarão que o episódio só tem 40 e poucos minutos. Mas aí se questiona para que perder tempo com aquele padreco. Quanto a Rick, não vejo como ele morrer agora. Depois daquela chatice do Rick fazendeiro, criador de porcos na prisão, que tivemos que aguentar, o cara agora está mais fodão do que nunca, impiedoso. Tudo que queríamos...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou, não gostou, quer conversar sobre? Comenta aí!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...