CRÍTICA | O Mínimo Para Viver

Direção: Marti Noxon
Roteiro: Marti Noxon
Elenco: Lily Collins, Keanu Reeves, Alex Sharp, Lili Taylor, entre outros
Origem: EUA
Ano: 2017


O Mínimo Para Viver é o novo longa que entrou no catálogo da Netflix para trazer uma nova luz aos distúrbios alimentares. Trata-se do primeiro filme dirigido por Marti Noxon, que já trabalhou como produtora de episódios de Buffy, Mad Men, e várias outras séries grandes. Noxon também é a responsável pela adaptação de Objetos Cortantes, livro de Gillian Flynn que virou série de TV, com estréia ainda esse ano pela HBO.

A obra trata de distúrbios alimentares como anorexia, bulimia e compulsão alimentar. Essas doenças assolam milhares de pessoas, tanto na sua saúde física, quanto mental. Ou seja, mais uma vez a Netflix causa falatório ao produzir conteúdo original que trata de tabus dos quais a sociedade não está acostumada a discutir de forma tão aberta.

A protagonista é Ellen (Lily Collins), uma jovem de 20 anos que sofre de anorexia e vive em um ciclo de entradas e saídas em diversas clinicas de reabilitação. Ellen tem uma visão distorcida da sua doença e, por isso, divulga suas opiniões na internet de forma agressiva. Isso acaba causando o famoso trigger¹ em uma garota que a acompanha seus posts no Tumblr, fazendo com que ela tire a própria vida.

¹ Trigger é uma expressão em inglês que é usada para fazer referência a imagens, textos ou opiniões que possam causar reações de extrema aversão em pessoas que estejam passando por situações similares, o que pode causar sérias recaídas.

Crédito: Gilles Mingasson / Netflix

Ellen tem pais separados e vive com a madrasta, mas ainda que tenha um bom relacionamento com a irmã, não tem um pai presente. Sua mãe, por outro lado, se retira da equação pois não consegue mais lidar com a doença da filha.Todos esses fatores são estabelecidos no início da trama para que o espectador possa ver o tipo de convívio que Ellen enfrenta e como isso influencia na sua doença e na sua forma de encarar sua real situação. Mesmo que sua madrasta não saiba exatamente como ajudá-la, ela coloca Ellen em uma clínica de reabilitação com métodos não muito convencionais de tratamento. A clínica é liderada pelo médico interpretado por Keanu Reeves (Matrix).

Quando entra na rotina da clínica de reabilitação, ela conhece outros jovens tão problemáticos quanto ela e é nesse momento que o filme fala apenas com o público mais jovem, talvez de forma proposital, afim de atingi-los de forma mais eficaz.

Existe um distinto ar jovial na parcela do filme que se passa na clínica, com cenas que desenvolvem os laços de amizade e romance entre os personagens, fazendo com que a mensagem perca força. Mesmo permeada pela doença que todos enfrentam, a obra se torna branda e a direção se torna distante. O ultimo ato, inclusive, utiliza de metáforas para concluir sua mensagem. Ellen precisa chegar perto da morte para enxergar suas atitudes de forma clara e aceitar, não só a ajuda, mas também a presença de todos a sua volta.

É inegável que o O Mínimo Para Viver faz um bom trabalho ao retratar a realidade das pessoas que passam por distúrbios alimentares, mostrando que a doença não é exclusiva entre mulheres jovens e que, também, não precisam ser representadas por pessoas magérrimas. Existe aqui todo tipo de gente passando pelo mesmo problema, e isso é um belo acerto. Não existe glamour nas representações mais drásticas da doença, mas faltou um pouco mais de coragem em retratar a mente dessas pessoas funcionando. O filme se apoia muito no grupo de reabilitação, mas não temos um aprofundamento dos personagens para saber quem são aquelas pessoas. Uma visão mais bem trabalhada, com certeza enriqueceria a mensagem passada.

Crédito: Gilles Mingasson / Netflix

Lily Collins (Okja) perdeu peso para a interpretar sua personagem, o que certamente trouxe um ar mais impactante a doença. Outro ponto importante é que a atriz também já sofreu de distúrbios alimentares no passado, o que ela descreve em sua biografia. Ao receber o roteiro do filme, disse que o papel foi um desafio, já que sabe que uma abordagem correta é importante. O mesmo aconteceu com a própria diretora, que já lidou com distúrbios alimentares e alcoolismo ao longo de sua vida. A cineasta precisou revisitar situação similares tirar seu projeto do papel.

O Mínimo Para Viver é um filme necessário, assim como já aconteceu esse ano com 13 Reasons Why, que falou sobre suicídio e Dear White People, que trouxe uma excelente discussão sobre racismo. Produções como essas são sempre bem-vindas para abrir discussões pertinentes. Algum dia os tabus irão acabar e as conversas serão mais abertas. Um dia chegamos lá, tenho certeza.

Bom


Se você quiser conferir a crítica em vídeo que fiz sobre o filme, segue abaixo:

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...