A Mentira e o slut-shaming em nossa sociedade


Quem nunca presenciou algum amigo ou amiga dizer que "tal garota era puta" ou "não se dava respeito" porque estava usando um short curto, um decote maior ou simplesmente porque usava um batom vermelho? Acho que é impossível você ter passado a adolescência sem saber de alguma fofoca na escola sobre alguma garota que deu para o namorado ainda que eles não estivessem tanto tempo juntos, e mesmo que nenhuma palavra pejorativa fosse usada, você sabia que aquela menina não era tão respeitável assim.

Esses são exemplos até bem toscos para ilustrar o que é o slut-shaming.

Basicamente, agora falando de forma mais técnica e abrangente, o slut-shaming é o fenômeno de fazer uma mulher se sentir moralmente culpada por desejar ou agir de acordo com práticas sexuais que não batem com a expectativa de comportamento de acordo com seu gênero. Viver em uma sociedade patriarcal significa ser constantemente julgada e policiada com qualquer tipo de comportamento, e quando o assunto é sexualidade o negócio piora. Se você sai um dedinho da linha do "aceitável" você já é marcada como "oferecida", "vagabunda" ou "puta".

O filme A Mentira (Easy A, 2010) tem como ponto de partida a mentira que Olive (Emma Stone) conta para sua amiga, ao dizer que perdeu a virgindade com um aluno universitário. Sabemos desde o começo que isso não é verdade e que foi apenas uma forma da personagem fugir da pressão da amiga. Acontece que Marianne (Amanda Bynes), uma garota super religiosa e poderosa na escola, escuta a "confissão" da colega e espalha a informação para todo mundo, o que faz com que todos pensem que Olive é "fácil". Há toda uma bola de neve de mentiras que são contadas a partir disso, grande parte vindo das pessoas ao redor, mas também da própria protagonista. Problemas são gerados e a personagem chega a acreditar em tudo que falam dela em certo ponto.

Foto: Divulgação

O tema principal de A Mentira é o slut-shaming. Em nenhum momento isso é explicitamente falado e com a ajuda da tradução em português o público pode ser induzido a acreditar que o tema principal da trama é a mentira que a personagem principal conta, o que pode mudar completamente a "lição de moral" que é deixada no fim. Sim, interpretações são pessoais mas é importante levar isso em consideração.

Pensando agora na minha experiência pessoal com o filme, quando eu o assisti pela primeira vez, não consegui ter tanta empatia com Olive e pensei mesmo que se ela não tivesse começado com as mentiras, não passaria por tudo aquilo. Eu culpei a vítima mesmo sabendo que ela não tinha feito absolutamente nada que os rumores diziam. Agora que revi o longa com outros olhos, notei o quão terrível foi essa interpretação, pois não conseguia enxergar que o que estava sendo tratado ali é exatamente isso.

O termo dessa prática é bem pouco falado, mas isso não significa que não esteja entre nós, ou que não seja algo preocupante. Slut-shaming é algo que define a vida de várias garotas, isso porque desde que nascemos nós passamos por um completo curso de como fugir disso, sem nem saber. Vivemos com medo de sermos vistas como "putas" e por causa disso nós deixamos de usar roupas que gostamos, falar o que pensamos ou fazer o que desejamos. A mulher aprende que gostar de sexo é errado, se tocar é errado e, por conta disso, muitas reprimem sua sexualidade quase que por completo. E quando não reprimem, é preciso ter um cuidado extremo para que sua imagem não fique suja, caso alguém descubra que ela gosta sim de sexo.

Foto: Divulgação

Eu entendo que nesse momento pode haver alguém lendo esse texto e pensando que tudo não passa de "mimimi" de mulheres, que não aceitam brincadeiras ou julgamentos externos, mas vale lembrar que isso existe, e é só pensar em pouco para ver como o contraste é grande ao comparar com a imagem do homem perante sua sexualidade. A masturbação masculina, por exemplo, é quase que vangloriada, enquanto a feminina nunca é falada, a não ser pra dizer que é errada. Se um homem "pega" 3 mulheres em uma festa é visto como um garanhão, e é respeitado; se a mulher fizer isso, certamente será vista como "puta", perdendo o respeito de quem ficar sabendo. De novo, apenas alguns exemplos que ilustram os argumentos.

O fato é que o slut-shaming destrói a vida da mulher e é a causa de muito suicídios entre jovens garotas que estão no começo da sua vida sexual. Lembrando que, assim como no filme, isso também acontece mesmo que a mulher não tenha feito absolutamente nada, visto que fofocas também são armas para essa prática. A ideia de como a mulher deve se portar, sexualmente falando, é tão enraizada que mulheres humilham suas semelhantes. Isso sem contar quanto a própria pessoa se prejudica, só de pensar que o que ela faz é errado, o que não é!

Sexo é natural... para todos os gêneros.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...