REVIEW | Sakura Card Captors


Febre no fim dos anos 1990 e começo dos anos 2000, Sakura Card Captors foi um anime que inspirou muitas garotas a se tornarem grandes heroínas (euzinha inclusive). A série japonesa conta a história da pequena Sakura Kinomoto, uma jovem que, sem querer, liberta diversas cartas mágicas que possuem poderes que envolvem sentimentos e forças da natureza, capazes de causar um grande caos por onde passam. Assim, incumbida pela “besta” guardiã das cartas, ela precisa recolher cada uma das cartas perdidas, entrando em uma infinidade de aventuras.

Baseado na série de mangás do conceituado Estúdio CLAMP, o anime contou com 70 episódios, divididos em três temporadas, somados a dois filmes e três OVA’s (Original Anime Video). No desenrolar de sua narrativa somos apresentados a bravura da jovem protagonista em busca das Cartas Clow, criadas há muitos anos pelo grande Mago Clow, ao lado de seus amigos e do guardião Kerberos, o fofíssimo Kero-chan.

Sakura Card Captors se destaca por um enredo que vai muito além da convencional jornada do herói, indo quase que completamente na contramão dessa premissa. A jovem Kinomoto não passa por qualquer dificuldade anterior ao momento em que se torna uma Cardcaptor, muito pelo contrário. Sua história encanta justamente por conter uma relação familiar forte e maravilhosa, com um pai dedicado, amoroso e cheio de doçura, e um irmão que, por mais que implique com a caçula, possui um afeto e um cuidado verdadeiro para com a mesma.

Imagem: Estúdio CLAMP

Além disso, apesar da mãe de Sakura já ser falecida, a memória materna nunca é apresentada de maneira dolorosa. Nadeshiko está sempre presente, chegando a aparecer em alguns episódios, através das visões de Touya, o irmão da garotinha. Graças a essa riqueza de detalhes, acompanhamos uma protagonista encantadora e de um coração repleto de bondade, inocência, mas também de muita coragem.

O anime também se destaca ao investir em relações amorosas bem trabalhadas e diversas. Podemos perceber que a melhor amiga de Sakura, a pequena Tomoyo, nutre um amor verdadeiro pela colega, mas também muito maduro ao entender que a outra não a enxerga da mesma maneira. Assim, para Tomoyo, basta ver a amiga feliz. Da mesma forma podemos ver a profunda relação entre Touya e o jovem Yukito (que também é interesse amoroso da protagonista em parte da trama), que apesar de não ser explícita, é bastante óbvia e repleta de doçura, o que gera um futuro sacrifício do irmão de Sakura na trama.

Em nenhum momento é necessário deixar as relações claras, tudo é muito suave e desenvolvido de maneira primorosa. O anime faz questão de deixar claro que todos dentro do enredo se veem como iguais e não de acordo com sexualidades estabelecidas. Touya inclusive, antes de seu relacionamento com Yukito, teve um breve romance com a jovem Kaho Mizuki. O objetivo é mostrar que pessoas se apaixonam por pessoas, independentemente de sexo. Lindo, né?

Claro que nem tudo são rosas e uma obra dos anos 1990, adaptada do oriente para o ocidente, muito provavelmente apresentaria alguma detalhe que causaria estranheza ao público em geral. É o caso do relacionamento amoroso do professor Terada e da amiga de classe de Sakura, Rita. Claramente abordando pedofilia, a relação não foi bem aceita no Brasil, enquanto no Japão o tema era interpretado de outra maneira. Um assunto espinhoso e que vale toda a problematização.

Imagem: Estúdio CLAMP

Sakura Card Captors consegue desenvolver uma ótima narrativa, que se mantém maravilhosamente nas suas três temporadas e que inova a cada episódio. Maduro e delicado, o anime consegue trazer não só uma protagonista carismática, mas toda uma gama os personagens bem desenvolvidos. É difícil não se apaixonar por Yukito, Tomoyo, Syaoran, e claro, pelo Kero.

O desenho ainda inova em seu plot principal, que não apresenta um vilão propriamente dito. Isso mesmo, não existe nenhuma força maligna rondando a história. Tudo gira em torno de um único princípio: crescimento.

Enfim, Sakura envolve coragem, bondade e muito amor. E para os fãs da saga que esperavam muito por uma continuação da história da jovem Kinomoto, foi lançado no último ano um novo arco de mangás, o Clear Card que foi adaptado para anime recentemente pela Crunchyroll para a versão anime. A primeira temporada acabou há menos de um mês e em breve, aqui no Cinéfilo em Série, traremos um review completo dessa nova fase e das novas aventuras de Sakura.

Bom, até a próxima! Liberte-se!

Excelente

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...