CRÍTICA | Buscando...


Direção: Aneesh Chaganty
Roteiro: Aneesh Chaganty e Sev Ohanian
Elenco: John Cho, Sara Sohn, Michelle La, Joseph Lee, entre outros
Origem: EUA
Ano: 2018


Sabe aquele tipo de suspense que consegue sustentar sua narrativa até o fim, mantendo o espectador vidrado em tela? Buscando... (Searching), longa-metragem dirigido pelo novato Aneesh Chaganty, é esse tipo de filme, onde somos apresentados a uma premissa interessante, um apelo visual inovador e um elenco afiado, que faz o público se importar com os personagens.

A trama inicia com introdução da linha do tempo da família de David Kim (John Cho), que perdeu a esposa para o câncer e desde então cria sua filha, Margot (Michelle La), sozinho, tendo que lidar com um abismo criado entre os dois devido a tragédia. A situação fica ainda pior quando a garota, de apenas 16 anos, desaparece de forma misteriosa e sem deixar pistas. Desesperado, Kim pede ajuda para as autoridades locais, passando a seguir os passos da filha e buscando informações no computador da mesma, onde tem acesso as suas redes sociais e todos os sites visitados por ela até então.

O filme apresenta uma forma de linguagem incomum no cinema, utilizando a tela do computador como recurso narrativo. Algo semelhante havia sido feito no terror teen Amizade Desfeita (Unfriended), mas sem grande sucesso. No entanto, a forma como o efeito foi empregado aqui serviu não apenas para apresentar os personagens, mas também para mostrar que as interações ali registradas ditarão o ritmo e o desenvolvimento da trama, aumentando o suspensa a cada minuto.

Foto: Sony Pictures

Cada vez que uma nova pista surge, seja trazida pela detetive responsável pelo caso, Vick (Debra Messing), ou pela descoberta de Kim no Instagram ou nos vídeos do Youcast! postados pela filha, a tensão aumenta, especialmente tratando-se de um caso complexo e distante de ser solucionado. Durante os 102 minutos de projeção, duas perguntas não saem da cabeça de quem assiste: afinal, Margot fugiu de casa ou foi vítima de um crime? Tal questionamento evidencia o quão bem sucedido é o roteiro da obra, também é escrito por Chaganty, abordando temas como isolamento emocional, a falta de comunicação entre pais e filhos, além do distanciamento proporcionado pelo uso de novas tecnologias.

Outro aspecto técnico que chama a atenção é a montagem e a localização da obra. Todos os textos, conversas e sites visitados em tela são traduzidos para o português, proporcionando uma experiência única ao espectador, que se sente totalmente inserido na trama.

As atuações são sólidas e surpreendentes, especialmente a de Debra Messing (Will & Grace), que, acostumada com trabalhos cômicos, teve aqui a oportunidade de demonstrar sua vocação para o drama. A detetive vivida por ela tem comportamentos questionáveis, mas parece nunca perder o controle da situação, mesmo nos momentos mais difíceis. John Cho (Além da Escuridão: Star Trek), por sua vez, nos apresenta um personagem de grande evolução, passando de um pai inicialmente fragilizado inicialmente para um homem forte e sedento por justiça. Movido pela emoção, o protagonista se mostra o principal pilar para que a obra funcione, e Cho assume essa tarefa com competência.

Foto: Sony Pictures

Eficiente, inovador e contemporâneo ao abordar a febre das redes sociais e o diálogo no mundo virtual, Buscando... não é apenas ótimo entretenimento, mas um suspense policial envolvente, que vale cada centavo do ingresso e certamente te fará refletir sobre alguns dos temas tratados em tela.

Ótimo

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...