CRÍTICA | Uma Noite de 12 Anos

Direção: Álvaro Brechner
Roteiro: Álvaro Brechner
Elenco: Antonio de la Torre, Chino Darín, Alfonso Tort, César Troncoso, entre outros
Origem: Uruguai / Espanha / Argentina / França / Alemanha
Ano: 2018


Uma Noite de 12 anos (La noche de 12 años) foi o filme pré-selecionado para representar o Uruguai na corrida pelo Oscar de melhor filme estrangeiro em 2019. Acabou ficando pelo caminho, é verdade, mas trata-se de uma obra essencial atualmente. A história retratada é lembrada até hoje no país e precisava ser contada para o restante do mundo.

A narrativa gira em torno de 3 guerrilheiros, nomeados Tupamaros, que foram presos durante um longo regime ditatorial no Uruguai. Eles são capturados e brutalmente torturados pelos militares.

Politicamente falando, o longa não menciona os acontecimentos anteriores, e penso que era essa a intenção do diretor e roteirista Álvaro Brechner (Sr. Kaplan). Aqui ele opta por aprofundar a vida daqueles homens já inseridos dentro desse contexto histórico. Suas ideias, lutas e vontades não são mostradas, mas sim o ódio impregnado contra aqueles que eram considerados comunistas e responsáveis por qualquer declínio econômico ou político do país. A vontade dos militares era de mostrar seu poderio e sua “ordem” por medidas banais. Essa passagem, que durou 12 anos, é muito bem retratada, pois analisa cada nuance do dia a dia dos personagens e o quanto tais ações os afetavam fisicamente e psicologicamente.

Foto: Divulgação

Os três guerrilheiros citados são José Mujica (Antonio de la Torre), Mauricio Rosencof (Chino Darín) e Eleuterio Fernandéz Huidobro (Alfonso Tort). Cada um deles é analisado sob duas óticas diferentes. A primeira, isoladamente, com flashbacks do passado recordando como era mágica a vida antes do ocorrido, bem como as reações de suas sobrevivências nos cativeiros. A segunda é uma tentativa de burlar todo o sistema impregnado, a comunicação por batidas nas paredes, tudo da pior maneira possível.

A análise cinematográfica, em certas ocasiões, não precisam ser perfeitas. A análise por trás da história, as vezes soa mais poderosa e essencial. Se dar conta de que tudo aquilo realmente aconteceu, que as famílias ficavam anos sem visitar os que amavam, e que, no final das contas, sua vida poderia ter fim num minúsculo cubículo, é difícil de conceber.

Algumas passagens são singulares, como quando Rosencof, um ótimo escritor, ajuda os militares a escreverem cartas para suas paixões. Um simples ato, mas com uma força significativa muito grande. Em meio a dor e o caos, uma pitada de amor e compreensão. Algo que senti falta, no entanto, foi o retrato da retomada da democracia. Mostrar a luta do povo seria importante para ratificar o quão valiosa é a liberdade de cada um.

Brechner conduz o filme de forma a valorizar a emoção a todo momento, com ótima utilização de enquadramentos e slow motions bem empregados, sendo impossível que o espectador não se comova de alguma forma.

Foto: Divulgação

Qualquer liberdade de expressão que lhe é tirada, especialmente quando força é usada, significa que é necessário se fazer algo. Faz parte do dever da população, através do voto, garantir que seus direitos não sejam feridos, rumando o país para a evolução, não ao retrocesso. Uma Noite de 12 Anos é uma síntese disso, ensinando, também, que um líder não está acima de seus governados, mas junto deles, algo que as vezes parecemos esquecer.

Ótimo

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...