Itinerância da Mostra Internacional de Cinema em Santos | Dia 4



E vamos para o último dia da cobertura da Itinerância da Mostra Internacional de Cinema em Santos/SP, cidade que nasci e resido. O evento aconteceu de 04 a 07/12 e ao todo foram exibidos 10 longas. Você pode conferir a cobertura completa clicando AQUI.

Abaixo as críticas dos filmes exibidos no último dia de Itinerância.

_______________________________________________________________________________________________


Diretor: Amos Gitai
Roteiro: Amos Gitai e Marie-Jose Sanselme
Elenco: Andrei Kashkar, Leah Koenig e Adam Tsekhman
Origem: Israel/Itália/França/Rússia

8) Tsili (idem, 2014)

Durante a Segunda Guerra Mundial, a jovem judia Tsili (Leah Koenig) se esconde nas florestas de Chernivtsi, na Ucrânia, após toda sua família ser deportada para os campos de concentração. Marek (Adam Tsekhman), outro refugiado judeu, a encontra e fala com ela em ídiche. Com dificuldade em interagir após experiências traumáticas, ela mal consegue se comunicar com ele. O longa é inspirado no romance de Aharon Appelfield.

A premissa de Tsili chama atenção, como todo longa que aborda a Segunda Guerra e/ou o holocausto, temáticas que, confesso, me chamam atenção, pois as encaro quase como uma aula de história ministrada pelo Cinema. É uma pena que o filme dirigido pelo israelense Amos Gitai (Ana Arabia) esbarre em uma tentativa desenfreada de ser uma obra artística, abusando de longuíssimos planos abstratos que nem sempre dizem a que vieram, algo que prejudica e muito o resultado final da narrativa.

Logo nos 30 primeiros minutos de projeção já entendemos a intenção do roteiro escrito a quatro mãos por Gitai e Marie-Jose Sanselme: mostrar a degradação do ser humano levado a uma situação limite de isolamento para sobreviver. Vemos a protagonista durante um longo plano sequência cortando gravetos de forma contínua, com os cabelos desgranhados, se coçando - como se tivesse algum tipo de alergia no corpo - e se aproximando da câmera cada vez mais. Esse plano, aliás, causa um grande desconforto no espectador, pois vemos a mulher transformada praticamente em algum indivíduo primitivo, do tempo das cavernas. Ao fundo, sons longínquos de bombardeios e metralhadoras nos lembram do que ocorre a poucos metros dali.

E justamente por essa primeira meia hora ser tão eficiente, o restante do longa fica muito abaixo da expectativa, repetindo idéias a todo momento. Basicamente vemos a protagonista correndo, alimentando a fogueira, tomando chuva, em uma montagem que sempre encontra tempo para mesclar imagens de árvores ou vegetações próximas. Nem mesmo a interação com o outro refugiado serviu para mostrar algo diferente, que não o extinto animal vindo a tona em um momento condenável de desespero (a cena de estupro, propriamente dita).

Apresentando uma fotografia fria e sem grande beleza, Tsili ainda inclui elementos fora de seu contexto, como um violinista que toca uma melodia em cena ou a apresentação dos créditos iniciais, que mostra a protagonista dançando em um cenário todo escuro. Tais inclusões não servem nem mesmo para acrescentar algum ritmo a trama, o que é frustrante. Encerrando com uma melancólica montagem de cenas de arquivo, para que o espectador saia da sala sem uma gota de felicidade no peito, fica a certeza de que o refugio dos judeus nas florestas europeias já fora muito melhor retratado em obras como Um Ato de Liberdade (Defiance, 2008), protagonizado por Daniel Craig, e olha que esse nem é um dos melhores exemplares do gênero.


Ruim

_______________________________________________________________________________________________


Diretor: Ruben Östlund
Roteiro: Ruben Östlund
Elenco: Johannes Kuhnke, Lisa Loven Kongsli, Clara Wettergren e Kristofer Hivju
Origem: Dinamarca/França/Noruega/Suécia

9) Força Maior (Force Majeure, 2014)

Imaginem que de uma hora para outra você e sua família se encontram em uma situação de vida ou morte. Da forma como as coisas aconteceram, você tem duas opções: correr e se salvar ou ficar e arriscar sua vida tentando proteger seus filhos e companheiro(a). O que você faria? A resposta parece óbvia, mas num momento de pressão extrema, será que tomaríamos a atitude mais coerente? Essa é a premissa de Força Maior.

Tomas (Johannes Kuhnke) e Ebba (Lisa Loven Kongsli) estão passando férias com seus dois filhos pequenos em um luxuoso resort europeu de esqui. Durante um café da manhã com uma bela vista para os alpes, a família nota uma avalanche se aproximando. O que parecia ser uma medida controlada pela equipe do local acaba transformando-se em desespero, pois a neve está se aproximando rapidamente. Eis que, tomado pelo susto, Tomas recolhe seu celular e suas luvas e corre para salvar-se. Ebba, por sua vez, preocupa-se em proteger os filhos. O desastre, porém, era um alarme falso, visto que apenas uma densa névoa chegou até eles.

O que aparentemente parecia caminhar para uma estrutura de filme catástrofe, acabou se tornando uma competente análise da moralidade e do comportamento humano perante suas escolhas. Será que podemos condenar o protagonista por sua atitude? Trata-se de algo condenável? Esses são apenas alguns dos aspectos discutidos pelo ótimo roteiro de Ruben Östlund, que aqui também assume a cadeira da direção.

A dificuldade de Tomas em assumir seu ato o corrói durante toda a projeção, causando impacto direto em todos a sua volta. A famosa frase de que "toda ação gera uma reação" faz todo sentido para com a trama que está sendo contada. O trabalho dos atores é singelo, mas admirável. Conseguimos sentir a angustia que atravessam com um olhar. E quando precisam expressar em palavras, é quando a emoção toma conta da projeção.

Outro acerto é o tom estabelecido para a narrativa, que nunca se torna excessivamente dramática, muito pelo contrário, o humor calcado nas relações interpessoais é cativante. Destaca-se o trabalho do ator norueguês Kristofer Hivju (da série Game of Thrones), que vive o papel de um amigo do casal protagonista e serve de alívio cômico em grande parte das cenas, sem nunca tornar-se caricato ou exagerado. O tipo de coadjuvante carismático que sentimos falta quando não está em tela.

Östlund é hábil em estabelecer enquadramentos que ressaltam a proximidade da família ainda no primeiro ato, quando os 4 dormem juntos na mesma cama, ou quando escovam os dentes enfileirados em frente ao espelho. Do segundo ato em diante, esses elementos passam a ser desconstruídos perante o rompimento causado pela "força maior" do título. Após a avalanche vemos apenas o casal perante o espelho, para depois restar apenas Tomas, sozinho. Por outro lado, o diretor encontra dificuldade em estabelecer a mise-en-scéne em determinados momentos, como quando 2 casais jantam no quarto do hotel e não conseguimos saber ao certo o posicionamento de cada um no ambiente (há inclusive quebra de eixo). Algo semelhante acontece na importante cena da avalanche, quando Östlund posiciona a família num ponto da tela onde a ação não está acontecendo, prejudicando o entendimento de tudo que ali aconteceu para olhares menos atentos.

Força Maior ainda traz a ironia como desfecho, provando que a percepção do que é certo ou errado vai além de uma única e racional perspectiva.

Ótimo

_______________________________________________________________________________________________


Diretor: Guillermo Arriaga, Hector Babenco, Álex de la Iglesia, Bahman Ghobadi, Amos Gitai, Emir Kusturica, Mira Nair, Hideo Nakata 
e Warwick Thornton
Roteiro: Jorge Guerricaechevarría e Álex de la Iglesia
Elenco: Chico Díaz, Inma Cuesta, Demian Bichir, Yaël Abecassis, entre outros.
Origem: México/Brasil/Espanha/Israel/Sérvia/Índia/Japão/Austrália/Turquia

10) Falando com Deuses (Words with Gods, 2014)

Falando com Deuses é uma obra que já nasce polêmica. Não que ela tenha essa pretensão, mas um longa-metragem que tem como principal tema as diversas vertentes da religião, certamente gerará discussões calorosas entre aqueles que se interessam pelo assunto. A dinâmica escolhida é semelhante a utilizada na franquia  Cities of Love, onde temos diversos curta-metragens dirigidos por distintos diretores, porém, diferente da trilogia do amor às grandes cidades, aqui os curtas são independentes entre si, a não ser pelo fato da temática em comum.

No total são contadas 9 histórias, de 9 países e religiões diferentes: Austrália com o espiritismo aborígene, Brasil com a umbanda, Índia com as religiões indianas, Japão com o budismo, Israel com o judaísmo, Espanha com o catolicismo, Sérvia com o cristianismo ortodoxo, Iraque/Curdistão com o islamismo e México com o ateísmo. Tais religiões não necessariamente representam o país a qual o curta se refere - uma delas, o ateísmo, nem mesmo é uma religião -, mas todas fazem parte daquelas culturas de alguma forma.

Como normalmente acontece nesse tipo de formato, a obra sofre com o a irregularidade das histórias, visto que nem todas conseguem se destacar. É o caso do curta rodado pelo argentino Hector Babenco (Carandiru) em São Paulo, que, apesar de nos trazer simpatia por ter sido filmado em nosso país, não apresenta nada de muito interessante além de uma boa metáfora de renascimento em sua conclusão. O mesmo acontece com o enredo sobre as religiões indianas, que tampouco acrescenta ao espectador.

Por outro lado, há alguns curtas com ótimas premissas, como o japonês que perde a família para o tsunami e tem de aprender a conviver com sua dor. Possivelmente o exemplar mais dramático do projeto, depois da trama mexicana sobre o ateísmo. Ainda que o roteiro claramente escolha um lado da discussão, é inegável que a chuva de sangue seja uma cena emblemática, que até certo ponto me lembrou a chuva de sapos de Magnólia.

O roteiro que mais me agradou, pelo fato de saber utilizar a comédia de forma inteligente, foi o espanhol, que retrata o catolicismo. A ideia de um assassino que é confundido com um padre e foge com um taxista é algo fora do comum. Especialmente nas circunstâncias em que se encontravam, fazendo com que houvesse uma inversão de papéis no momento da extrema-unção. A trama do islamismo também é particularmente inspirada, filmada em POV em alguns momentos, a plateia reage divertidamente a quase todos as cenas.

Por isso, juntando os prós e os contras desse tipo de projeto, é possível dizer que Falando com Deuses é um bom filme. Ele provavelmente não mudará suas crenças religiosas e nem te trará novas descobertas, mas certamente estará disposto a te entregar alguns bons momentos cinematográficos, sem a necessidade de soar clichê.

Bom





A cobertura da Itinerância da Mostra Internacional de Cinema em Santos só foi possível graças ao convite do Cine Roxy, que realiza o evento com sucesso na região já pelo 3º ano consecutivo. Deixo aqui registrado meu agradecimento em nome do Cinéfilo em Série.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...