13 Reasons Why | 1ª Temporada



Uma história de amor, ou mesmo a ausência dele, em todas as suas vertentes e distorções. Mesmo com o fim trágico anunciado, o coração é o cerne da primeira temporada de 13 Reasons Why, série de imenso sucesso lançada pela Netflix em 2017. Uma produção que aborda temas polêmicos como estupro e suicídio, levantando discussões densas sobre os conflitos de decisões e a bagunça de sentimentos que é a cabeça de um adolescente.

Baseada na obra literária de Jay Asher e adaptada para a TV por Brian Yorkey, a série nos apresenta, a cada episódio, os motivos que fizeram Hannah Baker (Katherine Langford) tirar sua própria vida. Tais razões são descobertas através de 13 fitas cassetes gravadas e deixadas pela garota, explicando "os 13 porquês" que a levaram a tomar tal decisão

É através de Clay (Dylan Minnette), amigo e interesse amoroso de Hannah, que conhecemos sua história. O personagem serve como uma espécie de fio condutor da narrativa, a partir do momento que recebe as fitas das mãos de Tony (Christian Navarro). Dali em diante passamos a escutar cada uma das gravações junto do protagonista, episodicamente. Em cada fita uma história, um personagem, e os eventos trágicos que afetaram a vida da jovem garota.

Foto: Beth Dubber / Netflix

Produzida pela cantora Selena Gomez (Spring Breakers: Garotas Perigosas) e pelo diretor Tom McCarthy (Spotlight: Segredos Revelados), 13 Reasons Why acerta ao apresentar, aos poucos e de forma escalonada, os problemas enfrentados por vários personagens da trama. Da humilhação pública e uso de drogas, à exploração sexual não consensual. Apesar de narrar a história da Hannah, as fitas acabam por expor um universo de bullying e medo ao qual muito daqueles jovens eram submetidos diariamente e que não é muito diferente da realidade de adolescentes do high school norte-americano, ou mesmo de outros países como o próprio Brasil.

A série, aliás, vem de encontro ao atual momento da cultura brasileira. O cuidado e a repulsa à prática do bullying nunca foi tão grande e focada como é hoje. No entanto, embora a produção trate alguns temas de forma sensível e cuidadosa, como por exemplo o medo que um adolescente pode ter de assumir a  sua homossexualidade, outras premissas são pouco exploradas e abordadas de forma quase irresponsável pela narrativa.

Uma forma de remediar tal situação foi a criação do site 13reasonswhy.info, que foi lançado com a estreia da segunda temporada. Além disso, os primeiros episódios ganharam um vídeo introdutório com os atores frisando que a série desenvolve uma narrativa ficcional, mas que aborda temas reais e difíceis, deixando claro que, dependendo do problema que o espectador esteja atravessando no momento, talvez a série não seja indicada para ele. Tal medida veio para combater as muitas críticas às cenas de abuso e suicídio, que foram tema de muitos debates durante a exibição dessa primeira temporada.

Foto: Beth Dubber / Netflix

Esse primeiro ano de 13 Reasons Why incomoda e emociona, discutindo temas de uma forma que, para mim, em muitos anos, nenhuma outra produção conseguiu. É como atriz Alisha Boe, que interpreta a personagem Jessica na série, frisa no vídeo introdutório:

“Quando você fala sobre o problema, ele fica mais fácil.” 

Excelente




Eduardo Fernandes é jornalista e acha que falar é sempre o melhor caminho.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...