CRÍTICA | Titanic

Direção: James Cameron
Roteiro: James Cameron
Elenco: Leonardo DiCaprio, Kate Winslet, Billy Zane, Gloria Stuart, Bill Paxton, Kathy Bates, entre outros
Origem: EUA
Ano: 1997


Romântico, trágico, atraente e pulsante. Assim é Titanic, escrito e dirigido por James Cameron (Avatar), baseado em uma história real e munido de ótimos recursos técnicos e visuais, além de um roteiro e atuações memoráveis. Não foi à toa que recebeu as melhores avaliações da crítica especializada e alcançou um lugar de destaque na história do cinema vencendo 11 Oscars, façanha que somente Ben-Hur (1959) havia conseguido, e que mais tarde seria igualada por O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003).

Cameron traz como pano de fundo a bela história de amor entre Jack Dawson (Leonardo DiCaprio), rapaz nômade que embarca na primeira e única viagem do Titanic após conseguir sua passagem de terceira classe em uma mesa de pôquer, e Rose DeWitt Bucater (Kate Winslet), uma jovem aristocrata que tem a chance de salvar o status da família, à beira da falência, casando-se com o milionário Caledon Hockley (Billy Zane). Após o primeiro e inusitado encontro entre Rose e Jack, nasce uma paixão proibida, que passa a ganhar contornos trágicos após a colisão da embarcação com um iceberg, logo ele, o navio que era considerado moderno para os padrões da época e tido como inafundável.

A preocupação do cineasta foi a de construir uma narrativa envolvente, fluida e que permitisse ao espectador aproveitar as mais de três horas da obra sem sentir o tempo passar. Para isso contou com um ótimo trabalho de montagem, intercalando o presente e o passado de forma elegante, aproveitando as ruínas no fundo do mar para mostrar o luxuoso transatlântico navegando, ou mesmo na ótima transição feita do olho de Kate Winslet para o de Gloria Stuart (A Carta Anônima), que interpreta a Rose mais idosa. Esses detalhes tornam a narrativa cativante, capaz de despertar curiosidade nos espectadores e a inevitável ansiedade pelo naufrágio, que vitimou pouco mais da metade das 2.200 pessoas que estavam à bordo na noite de 14 de abril de 1912.

Foto: Fox Film

Os efeitos especiais, aliados à edição e a mixagem de som, deram o tom da produção, possibilitando a imersão do espectador ao ambiente. O estrondoso ruído da colisão do navio com o iceberg, a água subindo rapidamente pelos corredores, as luzes se apagando subitamente, bem como o momento em que o Titanic se parte ao meio e vai aos poucos afundando, criam uma atmosfera sufocante e atordoante para quem acompanha os personagens. Tudo devidamente planejado e perfeitamente executado, uma autêntica viagem no tempo, recriando uma das grandes tragédias da história, que ainda mexe com o imaginário das pessoas.

Titanic também se destaca pela sua direção de arte e figurino. As roupas usadas no início do século XX foram reconstituídas de maneira precisa, com uma perfeita diferenciação entre as classes sociais dos passageiros, bem como dos objetos de decoração do navio, das louças utilizadas nos jantares e dos adereços usados pelos personagens. Tudo isso combinado com uma bela fotografia, em tons claros e fortes, para retratar o brilho e o luxo da embarcação, contrastando com tons mais azulados e melancólicos nos momentos mais tensos, da colisão até o total naufrágio do navio. Trata-se de um deleite visual, com excelentes contornos, principalmente nos momentos em que o navio transita em dias ensolarados ou quando iluminado durante a noite pelo brilho das estrelas. O tom romântico também dá o ar de sua graça em momentos precisos, possibilitando que o espectador se apaixone pelas paisagens e se envolva com a trama de maneira afetiva e lírica, antes dos instantes de terror e apreensão que a narrativa viria a apresentar mais adiante.

Foto: Fox Film

É claro não poderia deixar de abordar as atuações de Kate Winslet (Em Busca da Terra do Nunca) e Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street). O casal protagonista demonstra ótima sintonia, algo importante para que o romance entre seus personagens convença o espectador e funcione em tela. A empatia e o carisma de Winslet e a sagacidade e a vitalidade de DiCaprio contribuem para isso. O romance entre Jack e Rose é determinante para a trama, permitindo que o espectador não se prenda apenas à questão histórica da tragédia, mas também crie um elo com o casal, torcendo para que ambos sobrevivam no fim das contas, uma ótima sacada de James Cameron.

Titanic é sinônimo de sucesso, uma viagem ao famoso transatlântico, com uma perfeita reconstrução histórica e um drama poderoso, com algumas cenas que entraram para história do cinema, como o primeiro beijo de Jack e Rose, quando os dois se abraçam na proa do navio ao por do sol. Os personagens se sentiram-se voando. O espectador também nessa jornada.

Excelente


O Cinéfilo em Série assistiu Titanic à convite da UCI Cinemas. O filme está em exibição nas salas da UCI em IMAX e 4DX. Imperdível para qualquer fã da obra! Para conferir os dias e horários da programação é só clicar AQUI.


Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...