CRÍTICA | Sicario: Dia do Soldado


Direção: Stefano Sollima
Roteiro: Taylor Sheridan
Elenco: Benicio Del Toro, Josh Brolin, Isabela Moner, entre outros
Origem: EUA / Itália
Ano: 2018


Certamente você já ouviu a expressão de que "toda ação gera uma reação", ou mesmo que "o peso de certos atos pode levar a consequências inimagináveis". Sicario: Dia do Soldado (Sicario: Day of the Soldado) parece partir dessas premissas. Essa que é a sequência improvável de Sicario: Terra de Ninguém (2015), na ocasião dirigido por Denis Villeneuve (A Chegada) e protagonizado por Emily Blunt (No Limite do Amanhã).

Agora sob a direção de Stefano Sollima (Suburra), o roteiro de Taylor Sheridan (À Qualquer Custo)  - que também escreveu o longa original - traz de volta os personagens de Benicio Del Toro (Star Wars: Os Últimos Jedi) e Josh Brolin (Vingadores: Guerra Infinita), e apresenta novas figuras como Isabela Moner  (Transformers: O Último Cavaleiro). A questão principal é se a qualidade do primeiro filme se mantém aqui. Pergunta que não é tão simples de se responder.

A história começa com Alejandro (Del Toro) sendo recrutado pelo agente federal Matt Graver (Brolin) para sequestrar Isabel Reyes (Isabela Moner), filha de um infame chefão de Matamoros, o mais importante cartel de drogas do México. O plano é usar o sequestro para iniciar uma guerra entre dois cartéis e apagar ambos do mapa. Porém, quando o plano é exposto, Alejandro recebe ordens para matar a menina e, ao se negar a faze-lo, dá início a uma nova carnificina.

Foto: Sony Pictures

O roteiro complexo apresenta uma narrativa de violência extrema e com preocupação no desenvolvimento de seus personagens. Além disso, aborda temas recorrentes e polêmicos nos Estados Unidos, como a imigração, ilustrando mexicanos de características controversas em busca de uma vida mais confortável. É possível notar ainda uma crítica a postura anti-terrorista do país, ao mostrar o envolvimento de árabes extremistas na ação, bem como a posição da Casa Branca, que afirma que atentados não aterrorizam, e sim empoderam os Estados Unidos.

No que diz respeito as atuações, Josh Brolin segue entregando a dualidade que seu personagem exige, ganhando mais tempo de tela e desenvolvimento com a ausência da personagem de Emily Blunt. Benicio Del Toro, por sua vez, entrega uma excelente atuação, protagonizando ações que jamais imaginaríamos ver. Somado a isso, há uma interação e dinâmica improvável e interessante com Isabela Moner. A jovem atriz se mostra tímida a princípio, mas mostra alcance dramático que rivaliza com seus companheiros de elenco, principalmente nas cenas em que interage com os soldados.

A escolha de uma fotografia sombria, com bastante utilização de câmera na mão, reforçam o clima de tensão e guerra entre os cartéis, bem como da chegada estrondosa e truculenta dos soldados que tentam intervir para limpa-los do mapa.

Foto: Sony Pictures

Sicario: Dia do Soldado se mostra um eficiente thriller psicológico, com ótimas sequências de ação e uma narrativa impactante. Uma sequência improvável e que parece transformar a narrativa em franquia. Algo que pode agradar alguns e desagradar a outros.


Bom

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...