CRÍTICA | Julieta

Direção: Pedro Almodóvar
Roteiro: Pedro Almodóvar
Elenco: Emma Suárez, Adriana Ugarte, Daniel Grao, entre outros
Origem: Espanha
Ano: 2016

Enredos simples, quando bem trabalhados, podem ser mais interessantes do que parecem. Temos a tendência de achar que roteiros complexos, com reviravoltas emocionantes e diversas subtramas que se conectam no final, são pontos fortes quando falamos de cinema, mas não necessariamente precisa ser assim. Julieta (2016), longa-metragem do aclamado diretor espanhol Pedro Almodóvar (Os Amantes Passageiros) é um bom exemplo disso.

Aqui acompanhamos a história da personagem que dá nome ao filme. Julieta (Emma Suaréz/Adriana Ugarte) está prestes a se mudar da Espanha para Portugal junto com seu namorado, Lorenzo (Darío Grandinetti), deixando um passado triste para trás. Contudo, quando por acaso ela se encontra com Bea (Michelle Jenner), amiga de infância de Antía (Blanca Parés), sua única filha da qual não tem notícias há 12 anos, tudo muda, e ela decide permanecer em Madri, revisitar fantasmas do passado e buscar forças para ter esperança de ver a filha uma última vez.

De maneira muito simples e delicada, a obra repassa todos os momentos que levaram a personagem até a situação atual. Não se trata de um filme com grandes mudanças de humor ao longo de pouco mais de uma hora e meia de duração. Trata-se de uma produção que "caminha" de forma serena, "morna", mas que em nada soa tediosa ou monótona. A verdade é que Julieta se aproxima da vida real, com seus altos e baixos e, às vezes, sua calmaria.

Echo Lake Entertainment

O roteiro do próprio Almodóvar, como de costume, é delicado, bem construído e transita por assuntos relevantes, como a depressão, os relacionamentos humanos e os laços entre mãe e filha. Escolhas. Relações construídas e rompidas. Culpa. Comunicações falhas. O espectador se sente tocado, mexido, sem saber ao certo explicar a razão. É a vida real, pura e simples, que mexe com a gente. Julieta tem essa carga dramática na medida certa.

Não temos aqui uma obra de atuações memoráveis ou uma cinematografia de destaque, ainda que o design de produção habitual dos filmes de Almodóvar encha os olhos. A ambientação, a arquitetura e as locações funcionam dentro da premissa "simplista", se encaixando plenamente ao propósito da história.

Em suma, Julieta certamente não é um dos destaques da filmografia de Pedro Almodóvar, mas como quase todo trabalho do cineasta, merece que você reserve um tempinho do seu dia para apreciá-lo.

Bom



Comentários