CRÍTICA | A Favorita


Direção: Yorgos Lanthimos
Roteiro: Deborah Davis e Tony McNamara
Elenco: Olivia Colman, Emma Stone, Rachel Weisz, Mark Gatiss, entre outros
Origem: Irlanda / Reino Unido / EUA
Ano: 2018


Conhecido por filmes que valorizam o inusitado, o caricato, além de situações para lá de perturbadoras, o cineasta grego Yorgos Lanthimos (O Sacrifício do Cervo Sagrado) apresenta ao público uma produção de época, cuja história se passa no século XVIII e traz como pano de fundo a ambição pelo poder. Se o espectador se sentiu angustiado e provocado por suas obras anteriores, certamente irá encontrar emoções parecidas neste A Favorita (The Favourite).

A trama apresenta a rainha Anne (Olivia Colman), que possui como amiga e confidente a duquesa de Marlborough, ou simplesmente Lady Sarah (Rachel Weisz). Esta usa da amizade que possui desde a infância com a chefe do estado britânico para influenciar nas decisões mais importantes e nos rumos da Inglaterra, tendo em vista a forma inconsistente de governar de Anne. Porém, tudo começa a mudar com a chegada de Abigail Hill (Emma Stone), prima distante de Lady Sarah e que está em busca de trabalho após sua família enfrentar uma grave crise financeira. Com seu carisma, jovialidade e proatividade, Abigail vai conquistando aos poucos seu espaço na corte, despertando a paixão e admiração da rainha e deixando a duquesa irada. A partir daí uma dura disputa é travada entre as duas primas para ver quem se tornará a favorita da realeza.

Foto: Fox Film do Brasil

O roteiro da estreante Deborah Davis e de Tony McNamara (A Grande Virada) não apenas toca no contexto político da guerra travada entre França e Inglaterra no período que compreendeu a segunda metade do governo da rainha Anne, como também valoriza o clima de tensão e suspense ao redor dos encontros às escondidas de Lady Sarah com a mesma e, posteriormente, com Abigail. O clima de tensão e hostilidade entre as primas aumenta gradativamente durante a narrativa, de modo que, em determinado momento, o espectador deixa de lado a preocupação de um possível embate entre as nações, voltando sua atenção exclusivamente para a disputa das duas. E estamos falando do tipo de rivalidade que não se importa em derramar sangue, por exemplo, para que o objetivo seja alcançado.

Outro aspecto técnico interessante é a fotografia de Robbie Ryan (Docinho da América), que retrata os corredores da corte sob ângulos inusitados, com a câmera sempre acompanhando as costas dos personagens caminhando por cenários que soam quase intermináveis em sua extensão. Além disso, o design de produção, o figurino e a maquiagem extravagante, consolidam a obra em seu contexto histórico, mostrando que a produção se atentou aos detalhes.

As atuações são impecáveis e essenciais para que a narrativa se sustente. Olivia Colman (Assassinato no Expresso do Oriente) representa uma rainha que está mais preocupada em se esbaldar nos prazeres e na riqueza da corte, mas que revela segredos impactantes. E apesar do reconhecimento tardio, a indicação ao Oscar é a coroação (com o perdão do trocadilho) do grande momento vivido pela atriz. Rachel Weisz (Desobediência) chama a atenção ao interpretar uma mulher que vai do céu ao inferno, convencendo o espectador mesmo sem precisar derramar uma lágrima. Já Emma Stone (Maniac) demonstra cada vez mais maturidade em tela, com uma personagem que cresce com o decorrer da trama.

Foto: Fox Film do Brasil

Apesar do desfecho um pouco frustrante, A Favorita se mostra bastante atual, mesmo sendo um filme de época. A busca incessante por um objetivo, seja ele de poder ou riqueza, no qual são necessários meios escusos e imorais, soa contemporâneo em demasia. É como diria John Acton: "todo poder corrompe, e o poder absoluto corrompe de forma absoluta”.

Ótimo

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...